terça-feira, 4 de agosto de 2009

7 Caracteristicas das Pessoas bem sucedidas

7 Caracteristicas das pessoas bem sucedidas


O que faz uma pessoa ser bem sucedida? Vários fatores contribuem para que isso aconteça. Mas existem algumas características que essas pessoas têm em comum. Veja, abaixo, quais são elas:

1 - Todas elas trabalharam duro para chegar lá. Não há dinheiro fácil no mundo. O sucesso exige trabalho duro, e só é alcançado pelos que se dispõem a enfrentar esse trabalho.

2 - Pessoas bem sucedidas são honestas. O sucesso por meios desonestos dura pouco. O vendedor mentiroso e enrolador pode garantir a primeira venda, mas certamente nunca irá criar uma clientela...

3 - Pessoas bem sucedidas são perseverantes. Tentam até conseguir.

4 - Pessoas bem sucedidas são, na maioria das vezes, amigáveis e gostam de pessoas. É isso que permite que tenham facilidade em estabelecer contato e em liderar outros, quando necessário.

5 - Pessoas bem sucedidas gostam de aprender novas coisas. Durante toda a vida. Aprender significa crescer.
Curiosidade intelectual é a chave para uma das maiores vantagens na competição profissional - a informação atualizada. Aprender significa não só adquirir novos conhecimentos profissionais. Significa, também, aprender com os próprios erros.

6 - Pessoas bem sucedidas sempre entregam mais do que prometem. Essa é uma regra de ouro - prometa a menos, entregue a mais. Assim, você não cria expectativas desnecessárias. E, ao entregar o que prometeu, causará uma agradável surpresa ao entregar mais do que prometeu.

7 - Pessoas bem sucedidas procuram soluções quando encontram um problema pela frente. Não perdem tempo se queixando, porque vêem os problemas como oportunidades de se superarem. Assim, as pessoas bem sucedidas são, normalmente, aquelas que acham soluções - enquanto o resto se queixa...

Conhecendo essas características, faça uma pequena avaliação de si mesma. Qual delas é mais importante para você? Qual é a que você considera indispensável? Qual você gostaria de incorporar ao seu comportamento
profissional? Que tal escolher uma delas e "trabalhar" no seu desenvolvimento durante o próximo mês? Se você realmente se aplicar, verá que os resultados podem ser muito bons.

Boa sorte!

A Coisa mais injusta sobre a vida


A coisa mais injusta sobre a vida


A coisa mais injusta sobre a vida é a maneira como ela termina. Eu acho que o verdadeiro ciclo da vida está todo de trás pra frente. Nós deveríamos morrer primeiro, nos livrar logo disso. Daí viver num asilo, até ser chutado pra fora de lá por estar muito novo. Ganhar um relógio de ouro e ir trabalhar. Então você trabalha 40 anos até ficar novo o bastante pra poder aproveitar sua aposentadoria. Aí você curte tudo, bebe bastante álcool, faz festas e se prepara para a faculdade. Você vai para colégio, tem várias namoradas, vira criança, não tem nenhuma responsabilidade, se torna um bebezinho de colo, volta pro útero da mãe, passa seus últimos nove meses de vida flutuando. E termina tudo com um ótimo orgasmo! Não seria perfeito?

Cigana sarah Guli

Às adversidades


Às adversidades



Já observou a atitude dos pássaros ante às adversidades? Ficam dias e dias fazendo seu ninho, recolhendo materiais, às vezes trazidos de locais distantes... ... E quando já ele está pronto e estão preparados para por os ovos, as inclemências do tempo ou a ação do ser humano ou de algum animal destrói o que com tanto esforço se consegui... O que faz o pássaro? Pára, abandona a tarefa? De maneira nenhuma. Começa, uma outra vez, até que no ninho apareçam os primeiros ovos. Muitas vezes, antes que nasçam os filhotes, um animal, uma criança, uma tormenta, volta a destruir o ninho, mas agora com seu precioso conteúdo... Dói recomeçar do zero... Mas ainda assim o pássaro jamais emudece, nem retrocede, segue cantando e construindo, construindo e cantando... Já sentiu que sua vida, seu trabalho, sua família, seus amigos não são o que você sonhou? Tem vontade de dizer basta, não vale a pena o esforço, isto é demasiado para mim? Você está cansado de recomeçar, do desgaste da luta diária, da confiança traída, das metas não alcançadas quando estava a ponto de conseguir? Mesmo que a vida o golpeie mais uma vez, não se entregue nunca, faça uma oração, ponha sua esperança na frente e avance. Não se preocupe se na batalha seja ferido, é esperado que algo assim aconteça. Junte os pedaços de sua esperança, arme-a de novo e volte a ir em frente. Não importa o que você passe... Não desanime, siga adiante. A vida é um desafio constante, mas vale a pena aceitá-lo. E sobretudo... Nunca deixe de cantar.

Cigana Sarah Guli

Faça Alguém Feliz!!!


Faça Alguém Feliz!!!


Dê um beijo,
Um abraço,
Um passo em sua direção.
Aproxime-se, cem cerimônia.
Dê um pouco de calor do seu sentimento.
Assente-se bem perto e deixe-se ficar,
Algum tempo, ou muito tempo,
Não conte o tempo de se dar.
Sonhe o sonho, sem duvidar.
Deixe o sorriso acontecer.
Liberte um imenso sorriso.
Olhe nos olhos, aponte um defeito com jeito.
Respeite uma lágrima.
Ouça uma história, ou muitas, com atenção.
Escreva uma carta, e mande-a.
Ajude a resolver um problema.
Pergunte por quê, como vai, como tem passado,
Que tem feito de bom, que há de novo.
E preste atenção.
Sugira um bom passeio, um bom livro,
Um bom filme, mesmo um programa de televisão.
Diga de vez em quando, desculpe.
Muito obrigado.
Não tem importância, que se há de fazer, dá-se um jeito.
Tente, de alguma maneira...
E não se espante se a pessoa mais feliz for VOCÊ.

Cigana sarah Guli

Caminha Para a felicidade


Caminha para a Felicidade


Não olhe a tristeza do homem destruindo uma floresta,
olhe sim a beleza de uma flor brotando...
Não sinta a chuva ácida queimar as coisas,
sinta o frescor de uma chuva após um dia quente
Não imagine a poluição dos mares e nas praias,
mas imagine o nado de um golfinho numa água cristalina
Não escute o barulho de uma máquina barulhenta,
escute sim o canto dos pássaros em uma floresta...
Não fique triste com um amor que te deixou,
mas fique alegre com os com os amores que ainda estão por vir...
Não chore por uma morte de uma pessoa querida,
de gargalhadas por uma vida nascida...
Muitas pessoas só se lembram das coisas ruins do mundo, das tristezas que o mundo oferece;
Temos que lembrar que o mundo não é perfeito, mas que existem coisas perfeitas nele.
Existem coisas maravilhosas neste mundo,
aproveite sua vida observando as coisas lindas deste mundo, pois a
vida é curta e depois da morte, ninguém sabe o que esta por vir;
Talvez um lugar melhor que este, ótimo, esperamos que sim,
mas também pode ser um lugar pior, ou que não seja nada.
Veja a felicidade nas coisas simples pois a felicidade é simples,
não tente complicar uma coisa simples, pois a
simplicidade é o caminho para a FELICIDADE.

Cigana sarah Guli

Felicidade é

Felicidade é


Se tudo na vida é relativo,
Relativa também é a idéia
Que cada um faz da felicidade.

Para uns, felicidade é
Dinheiro no bolso,
Cerveja na geladeira,
Roupa nova no armário.

Para outros, a felicidade
Representa o sucesso,
A carreira brilhante,
O simples fato de se achar importante
Ainda que, na verdade, as coisas não sejam bem assim.

Para outros tantos,
Ser feliz é conhecer o mundo,
Ter um conhecimento profundo
Das coisas da Terra e do Ar.

Mas, para mim, ser feliz é diferente.
Ser feliz é ser gente,
É ter vida,
Que como dizia o poeta:
"É bonita, é bonita e é bonita..."

Felicidade é a família reunida,
É viver sem chegada, sem partida,
É sonhar, é chorar, é sorrir...

Felicidade é viver cercado de amor,
É plantar amizade, é o calor
Do abraço daquele amigo
Que, mesmo distante,
Lembrou de dizer: "Alô"!

Ser feliz
É acordar às cinco da matina,
Depois de ter ido dormir
às três da madrugada,
com sono e pra lá de cansado,
só pra dar uma pontinha da cama para o filho dormir.

Ser feliz é ver todo dia
Um sorriso de criança.
É a música, é a dança,
É a paz, é o prazer
De descobrir a cada dia
Que a vida se inicia novamente,
A cada amanhecer.

Ser feliz é ter violetas na janela,
É chá de maçã com canela,
E pipoca na panela,
É um CD bem mela-mela,
Para esquentar o coração.

Ser feliz é curtir sol radiante,
Frio aconchegante,
Chuvinha ou temporal.
Ser feliz é enxergar o outro
E, sabe se lá, quantos outros, que cruzam nossa estrada.

Ser feliz é fazer da vida
Uma grande aventura,
A maior loucura,
Um enorme prazer.

Ser feliz é ser amigo
Mas, antes de tudo, é ter amigos,
Maravilhosos,
Exatamente assim:
Como vocês!.

Caminho para a felicidade!!!

Não precisa caminhar muito
Para encontrar a felicidade
Na metade do caminho
Você encontra uma amizade

Seu destino já está traçado
E dele você não escapa
Faz um caminho na sua vida
É fica tão complicado como criança se localizando num mapa

Se nesse caminho você encontrar sua cara-metade
Não a deixe se perder
Você deve buscar seus ideais
Doa a quem doer

A raiva pode aparecer em alguns momentos
Pode tentar te iludir
Pode te fazer sofrer
Não siga esse caminho, você só tem a perder

Confrontos podem te assustar
Transtornos podem te sufocar
Encare-os de cabeça erguida
Não tente evitá-los nem evadi-los

Luzes negras aparecerão
Caminhos obscuros deixarão você cego
Nesse momento uma amizade se ramificará em amor

Amor não correspondido,
Ignorado ou simplesmente esnobado
Você chorará lágrimas de mais puro temor

Se você pensa que por aí terminou
Ainda não viu nada
Sonhos falsos, ilusões e fantasias
Se fazerão de amigos fiéis

Não se deixe levar pelas aparências
Elas simplesmente são máscaras
A realidade que vem depois
Desvendará a impiedosa e falsa amizade.
Um amor verdadeiro aparecerá
por fim o amor virá,

E o caminho chegará ao fim.

Tudo isso que acontece

O coração perdoa
Mas não esquece à toa
E eu não me esqueci.

Seja feliz também

Seja feliz também




A felicidade está tão perto da gente.
Mas tão perto que não a percebemos.
Está...
No olhar de uma criança,
Num simples abraço,
Numa palavra de carinho,
Na luz do sol,
No vento que anuncia a chuva,
Nas flores, nos pássaros
No céu, na lua e nas estrelas...
A felicidade esta em todo lugar.
Mas somos cegos, surdos e mudos
Para poder percebê-la.
Queremos "tocar" a "Dona Felicidade".
Mas ela, é intocável
Só é sentida
Lá dentro do coração...
Vamos abrir todos os nossos sentidos.
Deixá-los livres para perceberem os mínimos detalhes do
dia a dia.
Tente, passe um dia só, percebendo e sentindo seus
"Pedacinhos de Felicidades".
No final do dia,
você irá descobrir que não precisa muito para ser feliz.
Basta juntar os pequenos momentos para que se tornem grandes.

A felicidade está tão perto da gente.
Mas tão perto que não a percebemos.
Está...
No olhar de uma criança,
Num simples abraço,
Numa palavra de carinho,
Na luz do sol,
No vento que anuncia a chuva,
Nas flores, nos pássaros
No céu, na lua e nas estrelas...
A felicidade esta em todo lugar.
Mas somos cegos, surdos e mudos
Para poder percebê-la.
Queremos "tocar" a "Dona Felicidade".
Mas ela, é intocável
Só é sentida
Lá dentro do coração...
Vamos abrir todos os nossos sentidos.
Deixá-los livres para perceberem os mínimos detalhes do
dia a dia.
Tente, passe um dia só, percebendo e sentindo seus
"Pedacinhos de Felicidades".
No final do dia,
você irá descobrir que não precisa muito para ser feliz.
Basta juntar os pequenos momentos para que se tornem grande


Cigana sarah Guli

Vida: modo de usar


Vida: modo de usar


Quando resolver dar alguma coisa, dê com alegria.
Memorizar seu poema favorito.
Não em tudo que lhe dizem. Não desacreditar de tudo que afirmam ser mentira.
Quando disser te amo, demonstre com algum gesto.
Quando disser "desculpe-me", olhe a outra pessoa diretamente nos olhos.
Acreditar em amor à primeira vista.
Acreditar em antipatia à primeira vista.
Nunca puxar o tapete dos outros, geralmente você também está em cima dele.
Viver apaixonadamente com todos os ferimentos que isso vai acarretar: vale a pena.
Falar devagar e pensar rápido.
Não julgar uma pessoa por seus familiares.
Se perguntarem algo indiscreto, sorria e diga: "Por que você quer saber isso?" A conversa geralmente termina por aí.
Lembrar que o grande amor e as grandes conquistas representam grandes riscos.
Telefonar para seus pais e dizer o quanto os ama.
Quando errar não esqueça a lição. E corrija o que for possível.
Lembrar sempre de 3 coisas: respeito por você mesmo, pelos outros e por seus atos.
Quando atender ao telefone, sorria ao dizer alô. Quem está do outro lado da linha vai perceber.
Não deixar as pequenas brigas destruírem as grandes amizades.
Casar com alguém com quem goste de conversar.
Jamais esquecer que na velhice podemos perder muita coisa mas a capacidade de comunicação permanece intacta.
Ficar sozinho de vez em quando. Mas apenas de vez em quando.
Ler mais. ver menos TV: fica mais fácil passar aos seus filhos o que você aprendeu.
Saber que o silêncio pode ser uma resposta.
Orar. O poder da oração é infinito.
Ler nas entrelinhas.
Viver uma vida que lhe permita olhar para trás e sorrir.
Em discussões com pessoas amadas, concentre-se no presente e não traga as feridas do passado.
Quando viajar, visite um lugar onde ninguém mais da excursão foi. Este será seu lugar.
Você pode ter qualquer coisa, mas não pode ter tudo.
Lembre-se que seu caráter é um espelho do seu destino.
Aproveitar a sorte quando ela está a seu favor.
Se precisar disparar a flecha da verdade, primeiro molhe sua ponta no mel.
Peça ajuda e saiba reconhece-la.
Aprender todas as regras, e transgredi algumas assim que for possível.
Escolha seus amigos. E escolha seus inimigos: não dê a qualquer um a honra de enfrentá-lo.
Quando alguém começar a lhe agredir verbalmente, não interrompa. Verá que a agressão se esvaziará por si mesmo.

Quando pllantamos uma roseira

Quando plantamos uma roseira,

notamos que ela fica dormindo muito tempo no seio da terra, mas ninguém ousa criticá-la, dizendo:
"Você não tem raízes profundas" ou "Falta entusiasmo na sua relação com o campo".

Ao contrário, nós a tratamos com paciência, água e adubo.

Quando a semente se transforma em muda, não passa pela cabeça de ninguém condená-la como frágil, imatura, incapaz de nos brindar imediatamente com as rosas que estamos esperando.

Ao contrário: nos maravilhamos com o processo do nascimento das folhas seguido dos botões, e, no dia em que as flores aparecem, nosso coração se enche de alegria.

Entretanto, a rosa é a rosa desde o momento em que nasce até seu período de esplendor, e termina murchando e morrendo.

A cada estágio que atravessa - semente, broto, botão, flor - expressa o melhor de si.

Também nós, em nosso crescimento e constante mutação, passamos por vários estágios: vamos aprender a reconhecê-los, antes de criticar a lentidão de nossas mudanças.

Cigana Sarah Guli

segunda-feira, 27 de julho de 2009

O ORATÓRIO DA CRIPTA

Antes de partirem para evangelizar o continente que seria o berço do Cristianismo, os discípulos de Jesus ergueram um rústico oratório em honra da virgem Maria. séculos mais tarde, no mesmo local existiria a atal Igreja de Notre-Dame-de-la-Mar(Nossa Senhora do Mar), abrigado as relíquias e imagens de Maria Jacobé, Maria Salomé e virgem sara.
Este mesmo oratório, além de representar o templo de orações onde os fiéis iam buscar a palavra de Deus, também era o lugar onde se abrigava as Mulheres santas após a dispersâo dos demais membros do grupo.
Conta a história que alí elas morreram, primeiro, Maria Jacobé, e meses depois, Maria salomé, já idosas. Pouco tempo depois morreria sara.
São Trofino, vindo de Arles. lhes dá os últimos sacramentos e assiste ao sepultamento. As santas Mulheres foram enterradas no pequeno oratório, que elas mesmas ajudaram a construir e seus corpos sâo encontrados anos mais tarde, dispostos em forma de cruz.


OS EVANGELIZADORES I
Todos aqueles que se salvaram da sentença de morte que lhe foi imposta por Herodes Agrippa, salvaram-se pelo fé na palavra. Naquele tempo, a crença no poder do verbo modificava com mais rapidez a vida das pessoas. Por isso mesmo, os apóstolos-amigos de Jesus prometeram levar sua palavra, anunciando o evangelho, para a construção da fé e da verdade suprema.
Assim, partiram todos para cumprir a promessa que fizeram a Jesus. Marta segue para Tarrascon onde vence, com o sinal da cruz, a fabulosa tarrasque, monstro anfíbio saído das águas do Rhône que vitimava as crianças e o gado. Marta consagra a sua vida à evanlização da vila onde, mais tarde, seu corpo foi enterrado.
Madalena toma o caminho da floresta de saint Baume. Instala-se numa gruta úmida e inacessível. A gruta é guardada por dois anjos gloriosos. Maria Madalena usava seus longos cabelos como únca vestimenta. Assim escolheu reparar as suas culpas e pecados durante trinta anos. Após sua morte, ela foi enterrada em saint Maximino onde mais tarde foi construída uma Basílica.
Lázaro vai para Marselha e Maximino a Aix para pregar o Evangelho. Assim começa a evangelização da Gália, desde o primeiro século de nossa Era, pela região de provença.
Maria Jacobé e Maria Salomé tendo ficado no local, pregam também a fé. Elas acompanharam a vida de Jesus, levaram-no ao sepulcro e testemunharam sua ressurreição.
Como testemunhas do amor delicado a humanidade por Jesus Cristo, elas se dedicam a difundir a palavra Divina, onde quer que estivessem.
As palavras do Evangelho são confortáveis e muitos milagres são comprovados, tal qual o surgimento de uma fonte de água doce que até hoje alimenta o poço da atual igreja.


sexta-feira, 17 de julho de 2009

A HISTÓRIA SAGRADA

No Delta do Rhône, entre o mar e a lendária Camargue existe uma pequena cidade cujo nome tem origem na antiquíssima história das santas Maria jocobé e Maria Salomé, as Santas Marias do Maar, como são conhecidas.
A história desta cidade é inspirada em fatos remotos do começo de nossa era. pelos anos 44 e 45, uma frágil embarcação vinda da terra santa chega ao sul da atual frança, exatamente no campo romano "l' oppidum râ". Mais tarde, esta antiga cidade foi engolida pelo mar.
Devido às inúmeras perseguições cristãs fomentadas por Herodes agrippa, alguns discipulos de Jesus foram colocados numa barca sem remos, sem velas ou provisõe, em represália à fidelidade a cristo. Entre eles estavam: Maria Salomé, irmã ou prima da virgem Maria, Lázaro e suas irmãs Marta e Maria Madalena, Maximino e Sidônio, o cego de Jericó.
Conta a tradição que a serva sara se junta ao grupo.
Quando a barca avança, ela suplica que a levem. Um milagre a fez chegar até o barco. Sobre o manto que Maria Salomé atirou nas águas para auxiliá-la, sara caminha e alnça a barca.

Existem muitas lendas e outras versôes dos fatos. Para alguns, a viagem foi feita numa galera que fazia o caminho rotineiro entre a palestina e a Europa.
A vida de sara também possui outras tantas crenças e versões. Para uns ela já vivia nas margens do Medediterrâneo e teria acolhido piedosamente as Santas mulheres.
Maria Salomé e Maria Jacobé influenciaram decididamente na conversão de sara ao Cristianismo, mais tarde, sara passaria a ser sua serva e acompanhante.
Para outros, sara era egipcia, foi uma abadessa ou freira de um convento da líbia, ou ainda descendente dos atlantes...
Os ciganos a veneram com o nome de vergem sara, a kali. kali, palavra repleta de significados, pode ser traduzida como negra, na língua dos ciganos. É a força cigana da pele morena e também o nome de uma deusa negra indiana venerada no sul da Índia.
Numa visão, teria identificado os evangelizadores que mais tarde foram acolhidos por ela e seu clâ, às margens do mar Medi-terrâneo. Princesa, rainha, abadessa ou serva, a doce virgem sara guarda até hoje o seu mistério.

Maria Jacobé e Maria salomé já idosas permenecem no lugar da chegada em companhia de sara. Os companheiros de viagem se dispersam e partem para evangelizar a Gália.

OS MISTÉRIOS DE SANTA SARA

VERDADE REVELADA.


A DIFUSÃO DO CULTO DE SANTA SARA KALI NO BRASIL, ESTRANHAMENTE, NÃO SE DEVE À IGREJA
CATÓLICA, MAS À NOVELISTA BRASILEIRA GLÓRIA PERES, QUE EM SUA NOVELA EXPLODE CORAÇÃO,
EXIBIDA E NOVEMBRO DE 1995 A ABRIL DE 1996, PELA REDE GLOBO DE TELEVISÃO, INTRODUZIU A SANTA,
PRTICAMENTE COMO UMA PERSONAGEM.

OCORREU QUE A IMAGEM DE SANTA SARA FOI APRESENTADA, INICIALMENTE COM A COR DA PELE-
BRANCA. COM A INTERFERÊCIA DE UM GRUPO DE MULHERES BRASILEIRAS QUE VÃO PERIODICAMENTE-
ÀS PERGRINACÕES DE VIRGEM SARA, NA FRANÇA, O EQUIVOCO FOI REPARADO, E A PELE DA SANTA
FOI REPINTADA NO TOM BEM MORENO, QUASE NEGRO. MAS HAVIA AINDA UM ERRO MAIOR, QUE JAMAIS
FOI CORRIGIDO. A IMAGEM DE SANTA SARA É UMA ADAPTAÇÃO DA IMAGEM DE NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO.
AS MÃOS POSTAS, SEM ANJOS AOS PÉS NÃO CARACTERIZAVA, NA VERDADE, A IMAGEM DE VIRGEM SARA, CONHECIDA
NA FRANÇA E EM TODA A EUROPA PELOS CIGANOS. EXISTEM AINDA DOIS OUTROS DETALHES QUE NÃO
FORAM REVELADOS À PRODUÇÃO DE ARTE DA GLOBO, SIMPLESMENTE PORQUE ERAM-E AINDA O SÃO -
PARA MUITOS-, IGNORADOS.
POIS BEM, EIS A VERDADE: INICIALMENTE A IMAGEM FRANCESA DE VIRGEM SARA, ERA UM SIMPLES BUSTO SOBRE-
UMA COLUNA. HOJE EM DIA, A MESMA SINGELEZA ESCULPIDA NO GESSO, MOSTRA A SANTA COMO OS BRAÇOS-
PENDENTES AO LONGO DO CORPO E AS PALMAS VOLTADAS PARA FRENTE. O ''CORPO'' DA ESTÁTUA É
RECOBERTO DE MANTOS PELOS CIGANOS E OUTROS DEVOTOS, EM CUMPRIMENTO DE DIVERSAS PROMESSAS.
SÃO OS EX-VOTOS. AS CORES DOS MANTOS VARIAM ENTRE AZUL, BRANCO, ROSA E VERDE DE DIVERSOS TONS.
POR CAUSA DE TANTOS,''EQUÍ VOCOS''E INFORMAÇÕES DE PESSOAS INTERESSADASENTE EM ''PEGAR CA-
RONA NO SUCESSO OLHEIO'',RESOLVI REESCREVER OS MISTÉRIOS DE SANTA SARA E DAR-LHE UM TÍTULO NOVO.
QUERO ESCLARECER PONTOS OBSCUROS SOBRE AS INFORMAÇÕES QUE ME FORAM DADAS ANTERIORMENTE-
A RESPEITO DA INTRODUÇÃO DO CULTO À VIRGEM SARA NO BRASIL. EU TAMBÉM ERREI. ACREDITEI NAQUILO QUE ME DISSERAM,
ACHANDO, INGENUAMENTE QUE, POR SE TRATAR DE UMA SANTA HAVERIA RESPEITO E CREDIBILIDADE DE DITOS
''ARTISTAS SACROS''.
BEM, QUE ME PERDOEM OS LEITORES E, PRINCIPALMENTE VIRGEM SARA. CONFESSO E RECONHEÇO QUE
TAMBÉM FUI VÍTIMA DESTE TIPO DE GENTE, QUE SEM VOCÊ ESPERAR, DESPENCA DE PÁRAQUEDAS NA SUA VIDA E
CONTA E RECONTA UMA PORÇÃO DE ESTÓRIAS, FORJANDO TEATRALMENTE UM ESTADO EMOTIVO COMOVENTE.
RECONHEÇO TAMBÉM QUE A FÉ PURO DO POVO É MAIOR. MUITOS E MUITOS BRASILEIROS RECEBERAM GRAÇAS
POR INTERMÉDIO DE VIRGEM SARA, INDEPENDENTE DA REPRESENTAÇÃO QUE LHE DERAM NO BRASIL.
TALVEZ, PARA A FÉ POPULAR, ESTE É UM DELALHE SEM MAIOR IMPORTÂNCIA, MAS PARA QUEM PESQUISA E REGISTRA
EM LIVROS O RESULTADO DE UM TRABALHO, É INADIMISSÍVEL UM DETALHE ERRADO.
EU MESMA, POR GRATIDÃO A VIRGEM SARA, BUSQUEI SUA VERDADE OBSITINADAMENTE, PARA\ SALVAGUARDA-LHE
O NOME E A TRADIÇÃO. EU MESMA RECEBI DE SARA INÚMERAS GRAÇAS, FIZ GRANDES AMIGOS ATRAVÉS DELA,
PUDE SER AJUDADA E AJUDEI A ALGUMAS PESSOAS. ENTÃO, NÃO TENHO DO QUE ME QUEIXAR, AFINAL, CADA UM DÁ AQUILO
QUE TEM. E FOI SOMENTE ISSO QUE ACONTECEU. DERAM-ME O QUE TINHAM PARA ME DAR. EU AGRADECI.,
ACEITEI, MAS FUI OBRIGADA A DESCARTAR DE MINHA HISTÓRIA, POIS PARA NADA ME VALIA.

A DEVOÇÃO

A HISTÓRIA DE SANTA É NUANCES LEGENDÁRIAS, DEVIDO AOS PARCOS REGISTOS DE ÉPOCA. O QUE NOS APAIXONA PARECE TETR O MESMO AMÁLGAMA QUE UNE CIGANOS E NÃO-CIGANOS, ALÉM DO TOM DE ENCANTAMENTO.
A DEVOÇÃO A VIRGEM SARA GANHOU CORPO ATRAVÉS DA RADIALISTA SONIA ABÃO, QUE EM SEU PROGRAMA DIÁRIO DA RÁDIO CAPITAL DE SÃO PAULO, DIVULGA A TRADIÇÃO DOS CIGANOS, EM RECONHECIMENTO A UM GRAÇA ALCANÇADA. SONIA ABRÃO SE TORNOU A MAIS VIBRANTE DIVULGADORA DE SANTA SARA KALI E AMIGA DE SEU IMENSO CONTINGENTE DE DEVOTOS, PROCURANDO SEMPRE ATUALIZÁ-LOS SOBRE PEQUENOS RITUAIS QUE PODEM SER REALIZADOS PARA MELHORAR A VIDA DE TODOS NÓS. O CHÁ QUE SONIA ABRÃO PROMOVE NA RÁDIO CAPITAL, NOS DIAS 24 DE MAIO, É OFERECIDO A MILHARES DE OUVINTES QUE FAZEM ENORMES FILAS EM VOLTA DO PRÉDIO DA EMISSORA. É COM SONIA ABRÇÃO QUE A TRADIÇÃO AO CULTO DE SARA SE PERPETUOU NO BRASIL.
COMO UMA SANTA TÃO DESCONHECIDA PODE SE TORNAR TÃO POPULAR NUM PAIS TÃO JOVEM COMO O BRASIL? AS HISTÓRIAS QUE CONTAM DE SANTA SARA KALI SÃO LENDAS? ESTAS E MUITAS OUTRAS PERGUNTAS DEVE ESTAR FAZENDO O LEITOR À ESTA ALTURA. PARA RESPONDÊ-LO, FOMOS BUSCAR JUNTO A MONSIER CLAUDE BARRY, CHEFE DE TURISMO DA CIDADE DE SAINTES-MARIES-DE-MER TUDO O QUE QUE DIZ RESPEITO À PEREGRINAÇÃO QUE ACONTECE ANUALMENTE NA CIDADE. A PEREGRINAÇÃO É UMA DAS FESTAS MAIS POPULARES DA EURO-PA. NA PEQUENA CIDADE FRANCESA DE SAINTES- MARIES-DE-LA-MER ERGUE-SE UMA MAJESTOSA FORTALEZA QUARDANDO ECOS DE UM PASSADO DISTANTE, E QUE TEVE COMO MARCO A CHEGADA DE UM GRUPO DE AMIGOS E APÓSTOLOS DE JEUS.
NESTA PEREGRINAÇÃO DOS CIGANOS À SAINTES- MARIES-DE-LA-MAR, TODOS OS ANOS REVERENCIAMOS A MEMÓRIA, A VIDA E A CURIOSA RELAÇÃO MITOLÓGICA DE SANTA SARA KALI. É PARA ESTA VIAGEM ENTRE HISTÓRIAS E MITOS QUE SEQUIREMOS JUNTOS. VOCÊ E EU, A DESVENDAR OS SEGREDOS DE SARA, A GRANDE MÂE DE TODOS OS CIGANOS!

sábado, 4 de julho de 2009

http://www.youtube.com/watch?v=81dI2s3rt88

segunda-feira, 29 de junho de 2009

Para uma kalin (cigana kalon), descendente desse povo, essa é uma hora em que precisamos estar atentos e vigilantes para ouvirmos uma espécie de "cham

Para uma kalin (cigana kalon), descendente desse povo, essa é uma hora em que precisamos estar atentos e vigilantes para ouvirmos uma espécie de "chamado mítico" que a dura realidade planetária está nos fazendo, e, nos unirmos em corpo e espírito com as forças maiores que regem esse universo.

Os Ciganos são "povos das estrelas" e para lá voltarão quando morrerem ou quando houver necessidade de uma grande evacuação. Há milênios eles vem cumprindo sua missão neste Planeta, respeitando e reverenciando a Mãe Natureza, trocando e repassando conhecimento. Eles pregam a necessidade urgente de pisar na superfície desse lindo "planeta água" (símbolo da emoção e da sensibilidade que preenche nossos corações) observando não só a violência praticada contra as minorias, como também os incríveis gestos de solidariedade humana mostrados via satélite ou pela Internet, na mesma velocidade da luz ou do pensamento humano, nessa era de virtualidade nem um pouco caracterizada pelas mais elementares virtudes.

OBS.: Parte deste texto foi retirada de uma Palestra apresentada pela Cigana Sttrada ( do clã Kalon) na 7ª edição do "Encontro para a Nova Consciência", em Fevereiro de 1998, em Campina Grande-PB.

Descobrir os seios em público é comum e natural, mas nenhuma mulher pode mostrar as pernas, pois da cintura para baixo todas são merimé (impuras).

Descobrir os seios em público é comum e natural, mas nenhuma mulher pode mostrar as pernas, pois da cintura para baixo todas são merimé (impuras). Vem daí a imposição das saias compridas e rodadas para as mulheres, que também são proibidas de cortar os cabelos, e nunca sentam à mesma mesa que os homens. Ironicamente, como praticantes da magia e das artes divinatórias, são elas que cada vez mais assumem o controle econômico da família, pois a leitura da sorte é a principal fonte de renda para a maioria das tribos. O resultado é uma situação contraditória, em que o homem manda, mas é a mulher quem sustenta o grupo.

As crianças ciganas normalmente só freqüentam até o 1o. Grau nas escolas dos gadjés (não-ciganos), para aprenderem apenas a escrever o próprio nome e fazer as quatro operações aritméticas. A maioria das crianças não vai à escola com receio do preconceito existente em relação a elas. Claro que com o acelerado processo de aculturação, um bom número de ciganos, disfarçadamente, estão freqüentando as universidades e até ocupando cargos de importância na vida pública do país e já chegaram até à Presidência da República. (Washington Luiz e Juscelino Kubitshek).

Para o Povo Cigano, a Lua Cheia é o maior elo de ligação com o "sagrado", quando são realizados mensalmente os grandes festivais de consagração, imantação e reverenciação à grande "madrinha". A celebrações da Lua Cheia, acontecem todos os meses em torno das fogueiras acesas, do vinho e das comidas, com danças e orações. Também para os ciganos tudo na vida é "maktub" (está escrito nas estrelas), por isso são atentos observadores do céu e verdadeiros adoradores dos astros e dos sidéreos. Os ciganos praticam a Astrologia da Mãe Terra respeitando e festejando seus ciclos naturais, através dos quais desenvolvem poderes verdadeiramente mágicos.

Quase todos são devotos de "Santa Sara", que é reverenciada nos dias 24 e 25 de maio, em procissões que lotam Lês Saints Maries de La Mer, em Camargue

Para os ciganos, Sara, santa venerada, possui a pele negra, daí ser conhecida como Sara Kali, a negra. Ela distribui bênçãos ao povo, patrocina a família, os acampamentos, os alimentos e também tem força destruidora, aniquilando os poderes negativos e os malefícios que possam assolar a nação cigana. Seu mistério envolve o das "virgens negras", que na iconografia cristã representa a figura de Sara, a serva (de origem núbia) que teria acompanhado as três Marias: Jacobina, Salomé e Madalena, e, junto com José de Arimatéia fugido da Palestina numa pequena barca, transportando o Santo Graal (o cálice sagrado), que seria levado por elas para um mosteiro da antiga Bretanha. Diz o mito que a barca teria perdido o rumo durante o trajeto e atracado no porto de Camargue, às margens do Mediterrâneo, que por sua vez ficou conhecido como "Saintes Maries de La Mer", transformando-se desde então num local de grande concentração do Povo Cigano.

Quase todos são devotos de "Santa Sara", que é reverenciada nos dias 24 e 25 de maio, em procissões que lotam Lês Saints Maries de La Mer, em Camargue, no Sul da França. Através de uma longa noite de vigília e oração, pelos ciganos espalhados no mundo inteiro, com candeias de velas azuis, flores e vestes coloridas; muita música e muita dança, cujo simbolismo religioso representa o processo de purificação e renovação da natureza e o eterno "retorno dos tempos".

A sexualidade é outro ponto importante entre os ciganos. E, ao contrário do que se imagina, eles têm uma moral bastante conservadora. Alguns mitos antigos falam da existência das mães-de-tribo, que tinham um marido e um "acariciador". Outros falam das gavalies de la noille, as misteriosas noivas do fim de noite, com quem os kakus se encontravam uma única vez, passando desde então, a ter poderes especiais. Mas o certo mesmo é que os ciganos se casam cedo, quase sempre seguindo acordos firmados entre as duas famílias. Não recebem nenhum tipo de iniciação sexual e ter filhos é a principal função do sexo.

São um povo cheio de energia e grande dose de passionalidade.

São um povo cheio de energia e grande dose de passionalidade. São tão peculiares dentro do seu próprio código de ética; honra e justiça; senso, sentido e sentimento de liberdade que contagiam e incomodam qualquer sistema.
O líder de cada grupo cigano, chama-se Barô/Gagú e é quem preside a Kris Romanis (Conselho de Sentença ou grande tribunal do povo rom) com suas próprias leis e códigos de ética e justiça, onde são resolvidas todas as contendas e esclarecidas todas as dúvidas entre os ciganos liderados pelos mais velhos. O mestre de cura (ou xamã cigano) é um Kakú (homem ou mulher) que possui dons de grande para-normalidade. Eles usam ervas, chás e toques curativos. Os ciganos geralmente se reúnem em tribos para festejar os ritos de passagem: o Nascimento, a Morte, o Casamento e os Aniversários; e acreditam na Reencarnação (mas não incorporam nenhum espírito ou entidade). Estão sempre reunidos nos campos, nas praias, nas feiras e nas praças.
O misticismo e a religiosidade, fazem parte de todos os hábitos da vida cigana. A maior parte deles acredita em um único deus (Dou-la ou Bel) em eterna luta contra o demônio (Deng). Normalmente, assimilam as religiões do lugar onde se encontram, mas jamais deixam de lado o culto aos antepassados, o temor dos maus-olhados, a crença na reencarnação e na força do destino (baji), contra a qual não adianta lutar. O mais importante para o Povo Cigano é interagir com a Mãe Natureza respeitando seus ciclos naturais e sua força geradora e provedora.
Outro fato que chama a atenção para a provável origem indiana do povo cigano, é a santa por quem nutrem o mais devotado amor e respeito, chamada Santa Sara Kali. Kali é venerada pelo povo hindu como uma deusa, que consideram como a Mãe Universal, a Alma Mater, a Sombra da Morte. Sua pele é negra tal como Shiva.

A família é a base da organização social dos ciganos, não havendo hierarquia rígida no interior dos grupos

Em sua maioria, os ciganos são artistas (de muitas artes, inclusive a circense); e exímios ferreiros, fabricando seus próprios utensílios domésticos, suas jóias e suas selas. Rotulados injustamente como ladrões, feiticeiros e vagabundos, os ciganos tornaram-se um espelho onde os homens das grandes cidades e de pequenos corações expiaram suas raivas, frustrações e sonhos de liberdade destruídos. Pacientemente, este povo diferenciado, continuou sua marcha e até hoje seus estigmas não sararam.

Na verdade cigano que se preza, antes de ler a mão, lê os olhos das pessoas (os espelhos da alma) e tocam seus pulsos (para sentirem o nível de vibração energética) e só então é que interpretam as linhas das mãos. A prática da Quiromancia para o Povo Cigano não é um mero sistema de adivinhação, mas, acima de tudo um inteligente esquema de orientação sobre o corpo, a mente e o espírito; sobre a saúde e o destino.

A família é a base da organização social dos ciganos, não havendo hierarquia rígida no interior dos grupos. O comando normalmente é exercido pelo homem mais capaz, uma vez que os ciganos respeitam acima de tudo a inteligência. Este homem é o Kaku e representa a tribo na Krisromani, uma espécie de tribunal cigano formado pelos membros mais respeitados de cada comunidade, com a função de punir quem transgride, a rígida ética cigana. A figura feminina tem sua importância e é comum haver lideranças femininas como as phury-day (matriarca) e as bibi (tias-conselheiras), lembrando que nenhum cigano deixa de consultar as avós, mães e tias para resolver problemas importantes por meio da leitura da sorte.

Esse povo canta e dança tanto na alegria como na tristeza pois para o cigano a vida é uma festa e a natureza que o rodeia a mais bela e generosa anfitriã. Onde quer que estejam, os ciganos são logo reconhecidos por suas roupas e ornamentos, e, principalmente por seus hábitos ruidosos.

Os ciganos chegados em Andaluzia no séc.

Os ciganos chegados em Andaluzia no séc. XV vieram do norte da Índia, da região do Sind (atual Paquistão), fugindo das guerras e dos invasores estrangeiros (inclusive de Tamerian, descendente de Gengis Khan) eles encontraram facilidades e estabeleceram-se. Mesmo assim, durante a inquisição católica, vários deles foram expulsos pelos tribunais do Santo Ofício. . As tribos do Sind se mudaram para o Egito e depois para a Checoslováquia, Rússia, Hungria e Polônia, Balcãs e Itália, França e Espanha. Seus nomes se latinizaram (de Sindel para Miguel; de András para André; de Pamuel para Manuel, etc.). O primeiro documento data a entrada dos ciganos na Espanha em 1447. Esse grupo se chamava a si mesmo de "ruma calk" (que significa homem dos tempos) e falavam o Caló (um dialeto indiano oriundo da região do Maharata). Eles trouxeram a música, a dança, as palmas, as batidas dos pés e o ritmo quente do "flamenco", tanto que essa palavra vem do árabe "felco" (camponês) e "mengu" (fugitivo) e passou a ser sinônimo de "cigano andaluz" à partir do séc. XVIII.

Porém de acordo com a Tradição Cigana, a teoria mais freqüente sobre a origem do Povo Cigano, é que após um período de adaptação neste planeta, os ciganos teriam surgido do interior da Terra e esperam que um dia possam regressar ao seu lar. Existem lendas que falam que os ciganos seriam filhos da primeira mulher de Adão, Lilith, e, portanto, livres do pecado original) e por isso eles não aceitam de modo algum ser empregados dos "gadjé" (não-ciganos) e apegam-se a antigas profissões artesanais que caracterizam suas tribos e são ensinadas desde cedo às crianças.

O Povo Cigano é guardião da LIBERDADE. Seu grande lema é: "O Céu é meu teto; a Terra é minha pátria e a Liberdade é minha religião", traduzindo um espírito essencialmente nômade e livre dos condicionamentos das pessoas normais geralmente cerceadas pelos sistemas aos quais estão subjugadas. A vida é uma grande estrada, a alma é uma pequena carroça e a Divindade é o Carroceiro.

Independente de qual fosse seu status, a partir do êxodo pelo Oriente, os ciganos se dedicaram com exclusividade a atividades itinerantes:

Independente de qual fosse seu status, a partir do êxodo pelo Oriente, os ciganos se dedicaram com exclusividade a atividades itinerantes: como ferreiros, domadores, criadores e vendedores de cavalo, saltimbancos, comerciantes de miudeza e o melhor de suas qualidades que era a arte divinatória. Viajavam sempre em grandes carroças coloridas e criaram nomes poéticos para si mesmos.

No primeiro milênio d.C., deixaram o país e se dividiram em dois ramos: o Pechen que atingiu a Europa através da Grécia; e o Beni que chegou até a Síria, o Egito e a Palestina. Existem vários clãs ciganos: o Kalê (da Península Ibérica); o Hoharano (da Turquia); o Matchuaiya (da Iugoslávia); o Moldovan (da Rússia) e o Kalderash (da Romênia). São mais de 15 milhões de ciganos em diferentes pontos da Europa, Ásia, África, América, Austrália e Nova Zelândia. Quase sempre os ciganos eram bem recebidos nos países onde chegavam. Os chefes das tribos apresentavam-se de forma pomposa, como príncipes, duques e condes (títulos, aliás inexistentes entre os ciganos). Diziam-se peregrinos cristãos vindos do Egito e, assim obtinham licença das autoridades locais para se instalarem.

Ao contrário do que muitos pensam, o Povo Cigano é que foi perseguido, julgado e expulso ao longo do seu pacífico caminhar. Na Moldávia e na Valáquia (atual Romênia), os ciganos foram escravizados durante trezentos anos; na Albânia e na Grécia pagavam impostos mais altos. Na Alemanha, crianças ciganas eram tiradas dos pais com a desculpa de que "iriam estudar", enquanto a Polônia, a Dinamarca e a Áustria puniam com severidade quem os acolhesse. Nos países baixos inúmeros ciganos foram condenados à forca e seus filhos obrigados a assistir à execução dos pais para que assim aprendessem a "lição de moral". Apenas no país de Gales eles tiveram espaço para manter parte das suas tradições e a língua.

A História do Povo Cigano II

A História do Povo Cigano II

O fato do Povo Cigano não ter, até os dias atuais, uma linguagem escrita, fica quase impossível definir sua verdadeira origem. Portanto, tudo o que se disser a respeito de sua origem está largamente baseado em conjecturas, similaridades ou suposições.

A hipótese mais aceita é que o Povo Cigano teve seu berço na civilização da Índia antiga, num tempo que também se supõe, como muito antigo, talvez dois ou três milênios antes de Cristo. Compara-se o sânscrito, que era escrito e falado na Índia (um dos mais antigos idiomas do mundo), com o idioma falado pelos ciganos e encontraram um sem-número de palavras com o mesmo significado. E assim, os Ciganos são chamados de "povos das estrelas" e dizem que apareceram há mais de 3.000 anos, ao Norte da Índia, na região de Gujaratna localizada margem direita do Rio Send e de onde foram expulsos por invasores árabes.

Outros pontos também colaboram para que esta hipótese seja reforçada, como a tez morena comum aos hindus e ciganos, o gosto por roupas vistosas e coloridas, e princípios religiosos como a crença na reencarnação e na existência de um Deus Pai e Absoluto. E com respeito à suas crenças, tanto para os hindus como para os ciganos, a religiosidade é muito forte e norteia muito de seu comportamento, impondo normas e fundamentos importantes, que devem ser respeitados e obedecidos.

Depois de vagarem pelas Terras do Oriente, os ciganos invadiram o Ocidente e espalharam-se por todo o mundo. Essa invasão foi uma das únicas na história da humanidade que foi feita sem guerras, dor ou derramamento de sangue. O que não se sabe ainda é se esses eternos viajantes pertenciam a uma casta inferior dentro da hierarquia indiana (os parias) ou de uma casta aristocrática e militar, os orgulhosos (rajputs).

Bebes Ciganos

Bebes Ciganos

Todas as pessoas possuem um nome próprio através do qual são conhecidas pelos demais. Este nome é devidamente registrado em cartório na denominada certidão de nascimento, que é o primeiro documento que identifica um cidadão. Na cerimônia católica do batismo este mesmo nome será repetido pelo padre ou oficiante, ficando a partir deste momento o bebê devidamente identificado perante as leis dos homens e as leis de Deus, uma vez que o batismo é um sacramento obrigatório para todo cristão católico.
Até ai, em nada é diferente um cigano e um não-cigano, pois os bebês ciganos atualmente também são registrados em cartório e levados a pia batismal. Contudo, os ciganos possuem além do nome oficial, um outro nome absolutamente secreto, que é escolhido por sua mãe e soprado em seus ouvidos nos primeiros, instantes após o nascimento. Este nome secreto somente será conhecido pela sua mãe, não sendo registrado ou comentado com ninguém. A própria pessoa nunca saberá qual é este nome mantido em total sigilo, unicamente por sua mãe. Então, qual o valor deste nome ou para que ele serve? O Povo Cigano acredita que este nome secreto é a ligação espiritual entre a mãe e seu bebê e sempre que ela precisa apelar as forças divinas em favor de seu filho ou filha usará este nome secreto nas suas invocações. É importante frisar que este nome somente é usado para situações bastante difíceis ou complicadas para a criança, em especial apelos em favor de proteção. Ele nunca é usado displicentemente, por brincadeira ou para apelos banais, e morre junto com a mãe cigana.

Os pais Rom são considerado extremamente permissivos na criação de seus filhos, de acordo com os padrões não-Roma.

Os pais Rom são considerado extremamente permissivos na criação de seus filhos, de acordo com os padrões não-Roma. Isto não significa que os anos que se segue sejam fáceis. O rigor e as dificuldades na existência dos Roma tornam as crianças fortes. A criança possui um lugar especial no seio da família, adorado e guardado por seus pais. É responsabilidade de todos na família ajudar a cuidar da criança. Ele ou ela aprende e realiza suas habilidades de seus pais, primeiro como um processo de imitação e finalmente ajudando os seus pais no que for preciso. Muito também é aprendido na observação da comunidade de jeito Rom de viver.

E somente outras mulheres, e nunca o marido ou outros homens, podem proteger a mãe por causa de sua condição marimé.

E somente outras mulheres, e nunca o marido ou outros homens, podem proteger a mãe por causa de sua condição marimé.

O batismo acontece algumas semanas ou alguns meses depois do nascimento, mas é mais comum entre duas a três semanas. Durante este período a mãe e a criança são isoladas da comunidade. Antes do batismo o nome da criança não pode ser pronunciado, ela não pode ser fotografada e em alguns casos o rosto da criança não pode ser mostrado em público. Este período não termina até o batismo quando as impurezas são lavadas pela imersão na água. Esta é a prática mais freqüente de lavar a criança em água correte, um ato separado de qualquer batismo subseqüente. Depois de lavá-la, a criança é massageada com óleo para fortalecê-la. Em alguns casos, amuletos ou talismãs são usados para proteger o bebê de espíritos malígnos.

Depois da purificação pela água, o bebê formalmente se torna um ser humano e pode então ser chamado pelo nome. Este nome, estretanto, é apenas um dos três que a criança levará por toda a sua vida. O primeiro nome dado permanece um segredo para sempre. A Tradição entende que este nome é sussurrado pela mãe, a única que sabe na hora do nascimento e este nunca é usado. O propósito deste nome secreto é para confundir os espíritos sobrenaturais e afastar a verdadeira identidade deles. O segundo nome é um nome Roma, aquele usado entre ele, os Rom. Este é conferido informalmente e usado somente entre eles. O terceiro nome é dado em um segundo batismo e ocorre de acordo com a religião dominante do país onde a criança nasceu. Este tem pouca importancia para os Roma e é somente uma necessidade prática para ser usado quando em contato com os não-Rom.

Não é porque elas pensem que irão receber

Não é porque elas pensem que irão receber um tratamento melhor, e sim porque desse jeito elas não irão manchar as suas casas. É permitido dar uma assitência ao parto se este acontece fora de um hospital, indicado por uma parteira, ou possivelmente por alguma outra mulher que tenha a experiência da maternidade.

Existem uma variedade de rituais que devem preceder o nascimento. Um ritual em algumas tribos envolve o desatar de certos nós para que o cordão umbilical não corra risco de ter um nó. Algumas vezes todos os nós nas roupas da gestante são desfeitos ou cortados. Outras vezes, o cabelo da gestante será solto se estiver preso com um pino ou amarrado com uma fita.

À nova mãe é permitido que toque somente objetos essenciais durante os meses de quarentena. Os objetos que ela toca, tais como utensílios para cozinhar e para comer ou lençois, se tornam impuros e mais tarde eles são destruídos. Apesar de tudo isto terminar com o batismo do bebê, algumas tribos são excessivamente cautelosas. Para estas tribos, ainda levam de dois a três meses até que a nova mãe possa se aproximar de seu marido ou retomar suas tarefas domesticas sem o uso de luvas.

Outros rituais simbólicos envolve o reconhecimento formal do rebento por seu pai. Em algumas tribos Roma, a criança é embrulhada em faixas onde tem algumas gotas do sangue paterno. Em outros casos, a criança é coberta com uma peça de roupa que pertança ao pai. É tradicional em outras tribos a mãe colocar o bebê no chão. O pai a apanha e coloca uma tira vermelha em torno de seu pescoço, reconhecendo assim que a criança é sua.

Em algumas tribos a mãe não pode ser vista por homem algum, exceto o marido, até o dia do batismo. O marido enfrenta restrições também. Ele fica proibido de sair entre o por do sol e o nascer do sol para ficar longe de espíritos malígnos, chamados tsinivari, que podem atacar a criança durante a noite. Estes espíritos malígnos atacam a mão também

Nascimento

Nascimento

O nascimento de uma criança na família é um evento muito especial. Uma criança nova confirma a continuação da linha familiar e acrescenta respeito a esta. Apesar de famílias grandes ser comum entre os Rom, nem todos os Roma possuem famílias grandes. O anuncio da vinda de uma criança requer certos costumes a serem observados para a introdução de um bebê saudável na família.

Regras rígidas começam a ser observadas no momento da gravidez antes do nascimento em si de uma criança Rom. A maioria dessas regras são baseadas na crença de que a mulher é marimé, ou impura, durante a gravidez e por um período depois do nascimento da criança até o seu batismo. Quando uma mulher se certifica de que está grávida, ela conta à seu marido e às outras mulheres na comunidade. A gravidez assinala uma mudança em seu status no grupo. A gravidez significa que a mulher é "impura" e deve ficar isolada o tanto quanto possível de toda a comunidade. Ela é cuidada somente por outras mulheres na comunidade. Apesar dela continuar vivendo em casa, seu marido pode passar somente poucos períodos de tempo com ela durante a gravidez. Normalmente ele assume as tarefas domésticas quando ela não é mais capaz de fazê-las.

A partir do nascimento, um Rom está sujeito 'a leis e costumes desenvolvidos por séculos e expressados pela Romaniya. Enquanto a severidade de muitas das leis tradicionais vai diminuindo com o tempo, traços delas ainda permanecem. Estas leis variam de tribo para tribo e de país para país. A vida dos Rom é uma vida dura, de constante exposição e perambulação de lugar para lugar. Por estas razões, a severidade tem sido essencial para sua sobrevivência, e rituais severos podem ser observados no momento do nascimento.

Tradicionalmente, o nascimento não pode acontecer na casa da família, seja uma tenda ou um vagão; porque se tornaria "impura". Por causa disto, um número cada vez maior de mulheres Roma preferem deixar o acampamento e suas casas para dar a luz em um hospital, apesar de seus desdém pelo jeito não-Rom de vida.

A integração

A integração e a assimilação dentro da sociedade gajikane tem ameaçado a preservação dos costumes e tradições Roma. A habilidade Roma de se adaptar a novos ambientes para sobreviverem te msido responsável pela perda de muitos costumes esquecidos no tempo. A compreensão destas ameaças pode prevenir maiores perdas dos costumes e tradições de uma cultura única e antiga.

Vários grupos ou nações Roma referem-se como Roma, ou Rom.


Vários grupos ou nações Roma referem-se como Roma, ou Rom. Entre eles estão as nações da velha Europa como os Kalderasha, e outros, como os Roma da Alemanha.

"Singular masculino “Rom”, plural “Roma”; feminino: “Romni” e “Romnia”. Apesar disto, como fazem muitos outros autores europeus, a seguir sempre escreveremos “os Rom” e não “os Roma”; da mesma forma “os Calon”, “os Sinti”, etc. Até os ciganólogos brasileiros chegarem a um acordo sobre a grafia das (auto)denominações ciganas, aplicaremos também para elas a "Convenção para a grafia dos nomes tribais" (indígenas), aprovada na 1a. Reunião Brasileira de Antropologia, em 1953, e segundo a qual "Os nomes tribais se escreverão com letra maiúscula, facultando-se o uso de minúscula no seu emprego adjetival", e "Os nomes tribais não terão flexão portuguesa de número ou gênero, quer no uso substantival, quer no adjetival." (Revista de Antropologia, vol. 2, no. 2, 1954, p. 150-152).

Na língua Rromani, a auto-identificação envolve a palavra "Rrom." A designação "Gypsy" está relacionada com a velha crença de que os Rroma vieram do Egito, apesar de estudos da língua Rromani no século 18 revelar sua origem Indiana.

E, países de língua não-Inglesa, os Rroma são referidos como Zigeuner, Zingari, Tsiganes e outras variantes do radical da palavra Grega "Atsinganoi," que era na verdade uma seita religiosa no Império Bizantino, não relacionado aos Rroma ainda que atribuído 'a população estrangeira.

Para organizações Rroma e outros grupos de direitos humanos, a designação étnica Rrom (pl. Rroma, adj. Rromani) é uma questão de auto-determinação, auto-identificação. Uma comparação pode ser feita com o povo Inuit da América do Norte que eram chamados formalmente como "Esquimós" - um nome externamente aplicado. O princípio da auto-determinação envolve reconhecimento público e a implementação de seu uso.

Costumes e Tradições Romani

Costumes e Tradições Romani

Quando se fala dos costumes e tradições Romani é preciso explicar alguns pontos importantes que podem clarear fatos aqui apresentados. A maioria das tradições aqui expressas se referem aos grupos Roma da velha Europa.
A população Romani sempre foi composta com diferentes grupos étnicos agrupados durante a grande migração inicial da Índia. O povo Romani se formou fora da Índia apesar de vários elementos étnicos terem se iniciado ainda dentro da Índia. Isto é sustentado linguisticamente e cada vez mais com base na história. Por causa da extensiva influência Persa e Greco-Bizantina sobre a Língua Romanes, os membros desta migração que saíam da Índia ficavam nestas áreas por um longo período de tempo para isso ocorrer; e eles , sem dúvidas, também traziam membros dessas populações para dentro da população Romani.

A fragmentação da população Romani ocorreu em maior escala quando de sua chegada na Europa no século 14. Uma vez na Europa, a habilidade deles se ajustarem 'a grupos externos continuou, e em alguns lugares, o elemento Romani era dominante o bastante para assimilar os grupo de fora. Em outros lugares, o elemento Romani era muito discreto para manter sua identidade e foi perdido, enquanto contribuía para o grupo ao qual eles eram absorvidos.

A população Romani tem crescido diferentemente nos diferentes lugares a tal ponto que um grupo pode negar a legitimidade de um outro grupo. Mas todos os grupos mantêm, a um grau maior ou menor, uma barreira entre os que são Roma e os que não são. Desta forma, existem povos Romani que incorporaram um elemento genético estrangeiro substancial de fora da Índia, mas que permanecem, em termos de sua própria percepção, Roma e que falam Romanes.

Os nomes Rom e Roma, ou Rrom e Rroma, são usados aqui em vez das palavras Gypsy e Gypsies ou mesmo Ciganos. Alguns grupos Romani não se dizem Roma, tais como os Romanicos, Gitanos, Kalé, Sinti, Manush, e outros, mas referem a outros grupos como Roma.

Pode-se ouvir

Pode-se ouvir a nítida influência árabe na música flamenca, e também na dança, os movimentos de quadril e expressão de fortes sentimentos e emoções, são de natureza árabe.

Os ciganos acreditam que espíritos e entidades os acompanham no dia a dia. Um artista tem que esperar que um ente se aposse dele e inspire-o para que seja capaz de fazer a arte verdadeira. Este sentimento profundo criou o "canto jondo" na Andaluzia, um canto de tristeza profunda, que se contrasta com o "canto flamenco". O estilo de dança flamenca, com seus movimentos característicos de braços e de tronco, tem uma certa similaridade com a dança clássica persa, como também com a dança moderna da Ásia Central, Enquanto que na dança moderna árabe, os movimentos são centrados na região do ventre e os braços se mantém na altura dos ombros. Na dança flamenca e persa, os movimentos são centrados na região do tórax e é usado o máximo de espaço acima da cabeça para executar os graciosos movimentos de braços e mão.

Em cada país eram chamados por outros nomes:

Em cada país eram chamados por outros nomes:

Luri no Beluchistão/ Luli no Iraque / Karaki ou Zangi na Pérsia / Kauli no Afganistão / Cingan ou Tchingan na Sïria e na Turquia / Tsiganos ou Atsincani na Grécia / Roma ou Sinti na América.

Há mais de 600 anos os ciganos emigraram para a Europa, onde se dividiram em vários grupos:

1- um grupo chegou até a Inglaterra, partindo de Bizanz (Istambul), percorrendo a Sérvia e a Itália.

2- outro grupo se dividiu deste no norte da França e foi de Paris até o norte da Espanha

3- outros se espalharam pela Moldávia até a Rússia

4- outros foram para o Egito e de lá para a Andaluzia

Tanto o povo cigano como o andaluz eram um orgulhosos por manter suas tradições. Eram muito individualistas e leais à instituição familiar. Assim nasceu a sociedade do flamenco. Esta palavra "flamenco" designava ciganos, pessoas sem posse de terra, derivado do árabe das palavras "fellahu" e "mengu", que significava "o camponês errante". A sociedade espanhola associava a esta palavra os ciganos, ou o estilo de vida cigana. Tal estilo incluía a arte da música flamenca, a dança e a tourada.

Como os ciganos eram intrusos no país, muitas leis foram feitas contra eles. Entretanto, a inquisição espanhola nunca conseguiu provar nada contra, se tinham uma religião ou não, pois eles eram espertos. A cultura dos ciganos é tida como uma cultura de estranhos e geralmente imagina-se um povo alegre e feliz, mas a música que tocavam entre si era muito trágica, triste e vingativa., pois sua vida real só era manifestada entre eles. Para o mundo de fora, só cantavam músicas alegres, que é o que se esperava realmente. Tinham uma vida difícil e tentavam ganhar dinheiro de todos os modos. Assim, aproveitavam as apresentações de música e de dança por todos os lugares que passavam, levando seus ritmos e músicas que mesclavam-se com os da cultura local. Desta forma, foram trazidos ritmos indianos mesclados com melodias islâmicas para a Andaluzia. ...

Dança Cigana II


Dança Cigana II

Os ciganos adoram dançar. A dança nasce com eles no momento em que abrem os olhos para enfrentar a dura vida de cigano. Desde criança os ciganos ouvem e dançam as seguidillas, a rumba, as alegrias e o flamenco - ritmos e sons tradicionais - produzidos pelas guitarras, violinos, violões, acordeões, címbalos, castanholas, pandeiros, palmas das mãos e batidas dos pés, que aprendem desde cedo com parentes e amigos nas festas da kumpania (acampamento).

Não existem ciganos profissionalizados através da dança cigana e sim aqueles que fazem apresentações apenas para divulgar esse lado tão belo e cheio de magia dessa tradição que a todos fascina.

A dança cigana não é portanto, encarada como um ofício pelos ciganos. Montagens de balé e de óperas (como Carmen, de Bizet) são representadas por profissionais de balé não-ciganos (gadjes). Ciganos não freqüentam academias nem aulas de dança, pois quando dançam, o fazem com a alma, o coração e os movimentos naturais do corpo, sem nenhuma coreografia pré-concebida.

Como diz Niffer Cortez (uma das poucas dançarinas ciganas) "Marcar uma coreografia, para o cigano, é prende-lo; é não dar liberdade para os seus movimentos". Por outro lado, a Bibi Esmeralda (chefe do Grupo Kalemaskê Romae, de Pirituba/SP), é uma Puri (avó) de 65 anos e dança como uma jovem de vinte. Se a colocassem dentro de uma coreografia, com certeza, cortariam grande parte da emoção espontânea e do inestimável encanto que ela nos transmite quando dança com toda a sua desenvoltura, arte e beleza.

A história da dança oriental está intimamente ligada à história dos ciganos. Eles vieram da Índia e emigraram até a Espanha, para a região de Andaluzia. O nome espanhol dos ciganos é "gitano". O idioma dos ciganos é o romanês e contém em sua maioria palavras derivadas do antigo sânscrito (conforme pesquisa de Grellman), que era falado no noroeste da Índia. Mas por todos os países que passavam, assimilavam palavras de idiomas locais, por isso encontramos palavras do turco, grego e armênio.
.

A cigana

A cigana se casa muito jovem, geralmente ao redor dos quinze anos e deve ser virgem, condição - aliás considerada fundamental para o matrimônio. A virgindade será avaliada pelas mulheres mais velhas, pelas mães dos noivos e pela matriarca do clã no dia do casamento, sendo a mãe da noiva festivamente cumprimentada caso a filha seja virgem como pede a tradição. Se a jovem, o que é muito caro, já tiver tido experiência sexual e não for virgem, será severamente castigada, o casamento desfeito e deverá haver reparação aos pais do noivo. Em razão de tão sérias conseqüências as jovens ciganas se guardam de qualquer contato físico, não permitindo que um jovem ou um homem lhes encoste sequer a mão.
As mulheres casadas também são muito pudicas, não dando liberdade para que qualquer homem as toque ou faça qualquer demonstração de afeto físico. Até mesmo com seus maridos elas são bastante recatadas, em especial em público, pois, os ciganos temem os falatórios maldosos, as más línguas.
Apesar destas atitudes cautelosas tanto as jovens como as mulheres casadas são muito faceiras, insinuantes e provocantes, em particular quando dançam. Elas usam a dança como instrumento de sedução, além da função da dança propriamente dita, ou seja, diversão, demonstração de alegria e parte obrigatória das festividades. Festa de ciganos sem música e dança não é festa, e eles são muito festeiros, não perdendo nenhuma oportunidade de tocar seus violões, acordeons, violinos, cantar e dançar entusiasmadamente agitando pandeiros e batendo palmas, que acreditam ser uma forma de espantar a negatividade, abrindo espaço para a positividade.

A mulher cigana


A mulher cigana

Enquanto o homem representa o esteio e o braço forte da família, a mulher significa o lado terno e de proteção espiritual dos lares ciganos. Ela quem desempenha um dos papéis mais importantes na estrutura da família, o de mãe.
Cabe as mulheres desde cedo cuidarem das tarefas do lar, tornando-o o mais aconchegante e confortável possível, seja o lar paterno, seja o seu próprio com o marido. As meninas ficam sempre ao redor da mãe auxiliando nos trabalhos de casa, ajudando a cuidar dos irmãos menores e aprendendo as tradições e costumes como execução da dança, a leitura das cartas e das mãos, a realização dos rituais e cerimônia, os preceitos religiosos.
A mulher cigana tem seu lado feminino marcadamente atraente, colorido e sensual. Aliás, quando pensamos em ciganos, a primeira imagem que nos vem à mente é a destas mulheres vestidas com roupas longas e cheias de cor, de cabelos escuros apanhados por lenços coloridos, muitas jóias ao redor do pescoço, dos punhos e argolas de ouro penduradas nas orelhas.
A mulher cigana deve saber cozinhar, cuidar da casa, dançar, dirigir as cerimônias e rituais e saber ler a sorte. Ela deve ser de preferência bonita, ter encantos e ser dotada de atrativos. Caso ela não reúna estes elementos terá pouco valor e talvez somente case se houver algum tipo de convêniencia para o pai do noivo, como ter um pai influente, rico ou com poder de liderança.
...

A dança cigana


A dança cigana

Ao dançar os ciganos expressam sentimentos de alegria, poesia, romantismo e felicidade.
Os ciganos adoram dançar. A dança nascem com eles no momento em que abrem os olhos para enfrentar a vida. Desde criança os ciganos ouvem dançam, a rumba, as alegrias e o flamenco - ritmos e sons tradicionais- produzidos pelas guitarras, violinos, violões, acordeões, címbalos, castanholas, pandeiros, palmas das mãos e batidas dos pés, que aprendem desde cedo com parentes e amigos nas festas da kumpania ( acampamentos).
Os ciganos mantém na memória o mundo mágico das eternas caravanas que deixaram marcas nas estradas de muitas vidas.
Eles não freqüentam academias, nem aulas de dança, pois quando dançam o fazem com a alma, o coração que suplanta toda e qualquer norma ou regra, os movimentos são naturais do corpo, sem nenhuma coreografia. A dança é uma alegria contagiante e uma vivacidade única.
Não podemos falar que existe uma dança cigana, mas uma forma de dançar do povo cigano, que é leve, livre, criativa, insinuante e cheia de ardor e calor humanos.

Para o Povo Cigano

... Para o Povo Cigano, a Lua Cheia é o maior elo de ligações com: o "Sagrado" quando são realizados mensalmente os grandes festivais de consagração, imantação e reverenciação à grande "Madrinha". A celebração da lua Cheia, acontecem todos os meses em torno das fogueiras acesas, com dança e orações. Também para os Ciganos tudo na vida é "Maktub" ( está escrito nas estrelas), por isso são atentos observadores do céu e verdadeiros adoradores dos Astros. Os Ciganos praticam a Astrologia da mãe terra respeitando e festejando seus ciclos naturais, através dos quais desenvolvem poderes verdadeiramente mágicos. Gostaria de agradecer primeiramente a Deus por ter a oportunidade de conhecer a História deste Povo tão querido, alegre e tão cheio de energia. E agora quero agradecer por está aqui passando todas estas informações.
..Diz o mito que a barca teria perdido o rumo durante o trajeto e atracado no porto de Camargue, as margens do mediterrâneo, que por sua vez ficou conhecido como " Saintes Maries de la Mer", transformando-se desde então num local de grande concentração do Povo Cigano. Santa Sara é comemorada todos os anos, nos dias 24 e 25 de maio, através de uma longa noite de vigília e Oração, pelos Ciganos espalhados no mundo inteiro, com candeias de velas azuis, e flores e vestes coloridas; muita música e muita dança, cujo símbolo religioso representa o processo de purificação e renovação da natureza e o eterno "retorno dos tempos". Os Ciganos geralmente se reúnem em Clãs para festejar os ritos de passagem: o nascimento, a morte, o casamento e os aniversários. Estão sempre reunidos nos campos, nas praias, nas feiras e nas praças. Esse povo canta e dança tanto na alegria como na tristeza pois para o cigano a vida é uma festa e a natureza que o rodeia a mais bela e generosa anfitriã. Onde quer que estejam, os ciganos são logo reconhecidos por suas roupas e ornamentos, e, principalmente por seus hábitos ruidosos. São um povo cheio de energia e grande dose de passionalidade. São tão peculiares dentro do seu código de ética; honra a justiça; senso; sentido e sentimento de liberdade que contagia e incomodam qualquer sistema. Porem a comunidade cigana ama e respeita a natureza, os idosos e todos os membros do grupo educam as crianças de todos, dentro dos princípios e normas próprios de uma tradição puramente oral, cujos ensinamentos são passados de pai para filho ou de mestres para discípulo, através das estórias contadas e das músicas tocadas em torno das fogueiras acessas e das barracas coloridas sempre montadas ao ar livre( mesmo no fundo do quintal das ricas mansões dos ciganos mais abastados). ...

História do Povo Cigano


História do Povo Cigano

O grande lema do Povo Cigano é: " O céu é meu teto; a terra é minha patria e a liberdade é minha religião", traduzindo um espírito essencialmente nômade e livre dos condicionamentos das pessoas normais geralmente cercadas pelos sistemas aos quais estão subjugadas.
Em sua maioria, os ciganos são artistas ( de muitas artes, inclusive a arte circense) ; e eximios ferreiros, fabricandoseus próprios utencilios domésticos, suas jóias e suas selas. Os Ciganos sempre levaram uma vida muito simples, fabricando tachos, consertando panelas, vendendo cavalos ( atualmente vendem carros) fazendo artesanato ( principalmente em cobre o metal nobre desse povo) e lendo as cartas ciganas para ver a " buena dicha" ( boa sorte). Na verdade cigano que se preza, antes de ler a mão, lê os olhos das pessoas (os espelhos da alma) e tocam seus pulsos ( para sentirem o nível de vibração energética) e só então que interpretam as linhas da mão. A prática da quiromancia para o Povo Cigano não é um mero sistema de adivinhação, mas, acima de tudo um inteligente esquema de orientação sobre o corpo, a mente e o espírito; sobre a saúde e o destino. O mais importante para o Povo Cigano é interagir com a Mãe Natureza respeitando seu ciclos naturais e sua força geradora e provedora. Mitologicamente o Povo Cigano está ligado à Kali a deusa negra da mitologia hindu, associada a figura de Santa Sra, cujo mistério envolve o das "virgens negras", que na iconografia cristã representa a figura de Sara, a serva ( de origem Núbia) que teria acompanhado as três marias: Jacobina, Salomé e madalena, e , junto com José de Arimateia fugido da palestina numa pequena barca, transportando o santo Graal ( o cálice sagrado) , que seria levado por elas para um mosteiro da antiga Bretanha. ...

sexta-feira, 29 de maio de 2009

Oração Cigana

Cavaleiro da noite e do dia,
homem forte e corajoso,
és a força de um grupo cigano, és poder.
Com teu violino encantas a Lua Cheia.
Cigano, és homem forte e
seguro do que queres.
Cigano, és amor, carinho,
ternura e paixão ardente
Ao olhar para o infinito,
possa eu sentir a tua energia.
Cigano, ao olhar a chuva caindo
na relva, possa eu sentir-te
lavando-me das impurezas
deste mundo; e ao olhar a
chama de uma vela, possa
eu sentir-te a dizer-me:
"Estou te protegendo".

ORAÇÃO DO CABOCLO VENTANIA!


ORAÇÃO DO CABOCLO VENTANIA!

Ó grandioso Caboclo Ventania!
Antigo espírito do bem,
lança tuas flechas de luz em minha direção,
cubra-me com tua proteção.
Renove minhas energias,
elevando sempre meu coração
ao ápice da bondade,
que soube a sua energia, eu aprenda a perdoar mais, esquecendo-me verdadeiramente minhas mágoas.
Arrebata a minha alma,
para que somente amor eu consiga dar.
Vem espírito superior do vento e do tempo.
Grande mestre do sopro, divino
carrega-me em teus braços,
daí-me a força que preciso,
para continuar o que aqui vim fazer,
e nunca me esquecer dos teus ensinamentos.
Oh… espírito benfazejo,
sopra em minha direção,
que meus instintos me façam nunca se acovardar, diante dos obstáculos
que a vontade de continuar
não adormeça em meu coração,
pois dela preciso
para espalhar a fé, a confiança, o otimismo, e a felicidade de uma encarnação.
Desliga-me de todas as minhas decepções
com o fervor de teu sopro, o mal não me alcançará.
Aqueles á quem me querer mal não terão êxito.
Pois eu que sou teu filho entrego-me a vós para que assim eu leve
o amor ao coração de todos que passarem por mim.
Vem espírito da brandura,Negrito
circula este sopro de amor em volta de mim, promove-me cura neste instante.
Lava meu interior,
e que nele nasça a força da tua humildade,
para que eu possa espalhar a verdade e
o conforto de uma palavra amiga,
até o dia de minha partida.
Em nome do Mestre maior da Terra, meu Jesus amado, vós que sois
um Mensageiro Celestial esteja em mim hoje e sempre.

Amém.

domingo, 24 de maio de 2009

Yansã


Yansã protetora nas grandes tempestades,
Abranda esta tormenta que a minha vida invade.
Fazei que eu caminhe com o amparo de vossas mãos,
Para que eu seja mais firme em meu pensamento e minha razão.
Ajudando-me a ver onde esta mais escuro, na minha estrada terrena

Ogum


Ogum, fazei com que minhas orações sejam férteis como o trigo que cresce e alimenta a humanidade nas suas ceias espirituais, para que todos saibam que sou Teu filho. Ogum, senhor das estradas, fazei de mim um verdadeiro andarilho, que eu seja sempre um fiel caminhador, seguidor do teu exército, e que nas minhas caminhadas só hajam vitórias

Ogum


Salve Ogum, guerreiro de Oxalá.
Orixá que abençoa seus filhos e os filhos de seus filhos.
Pai destemido, Senhor da espada de fogo que corta todas as demandas e conduza os que ama aos caminhos da prosperidade.
Que em meus caminhos, possa eu, filho seu merecer as vossas Bênçãos: a espada que me encoraja, o escudo que me defende e a bandeira que me protege.
Meu Pai Ogum
Não me deixe cair
Não deixe tombar.
Mamalyga:

Polenta.


Naut:

Grão de Bico com lingüiça.


Paprikach:

costela defumada (bovina ou suína) e bacon ao molho vermelho de tomate e

pimentão com batatas pequenas, cozidas (na casca) e páprica doce.


Papuchá:

Pirão de Milho.


Sifrite:

Ponche de Frutas com Champanhe, Vinho e/ou refrigerante. Enfeitar com

pétalas de rosa.


Sarmá:

Arroz com lentilha, carne seca desfiada e nozes.


Sarmy/Salmava:

Charutos ou Rolinhos feitos em folha de repolho recheados com lombo ou

carne bovina moída, azeitonas, bacon e molho dourado; e/ou em folha de uva

com recheio de bacalhau.


Tchaio/Kavi:

Chá Cigano feito com Chá Preto ou Mate com pedaços de frutas (maçã:

felicidade; uva fresca: prosperidade; uva passa ou ameixa: progresso;

morango: amor; damasco: sensualidade; pêssego: equilíbrio pessoal; limão:

energia positiva e purificação da alma). Fazer o chá em água fervente e

deixar amornar. Colocar as frutas maceradas, misturar bem, coar e beber.


Varenyky:

Pastel cozido podendo ser doce (recheado com uva) ou salgado (recheado com

batata ou queijo de cabra).


Vino:

Vinho tinto.

Armianca:

Salada de alface e tomate (em rodelas) com champignon; queijo de cabra,

cenoura, beterraba (em pedaços) e berinjela frita (em tiras).

Enfeitar com uvas-passas, raminhos de hortelã e pétalas de flores.


Assados:

Pernil de carneiro (Bakró); Pernil de leitão (Baló); Cabrito Frito com

arroz e brócolis (ou lentilha ou nozes); e/ou roletes de carne bovina ou

frango com pedaços de cebola, pimentão (verde e amarelo) e tomate.


Brynza:

Queijo de Cabra (cru ou frito).


Chivuisa:

Destilado à base de trigo (espécie de Aguardente).


Civiaco:

Torta salgada ou doce.


Cozido Manouche:

feijões vermelhos grandes, pedaços de carne e de ossos de pernil de porco,

alhos-porós em pedaços, salsão com as folhas em pedaços, alhos comuns

inteiros com casca, cenouras e batatas cortadas em pedaços grandes, sal e

pimenta-do-reino (moída na hora) à gosto; arroz branco que deve ser

incorporado na última etapa do cozimento.


Goulash:

Cozido de arroz, batata, pedaços de carne bovina e páprica ardida.


Malay:

Pão de Milho.


Manrô/Kolako:

Pão redondo de Farinha de Trigo.

BOLO CIGANO (CIGANOS DE PORTUGAL)

BOLO CIGANO (CIGANOS DE PORTUGAL)
6 ovos
250 grs. de miolo de amêndoa, pelada e ralada
250 grs. de açúcar
100 grs. de chocolate em pó
1 chávena de doce de gila
Para os ovos moles
300 grs. de açúcar
1,5 dl de água
5 ovos inteiros
1 gema de ovo
1 colher de sobremesa cheia de maizena
MODO DE PREPARAR
Unte uma forma redonda e lisa com manteiga, forre o fundo com papel vegetal e torne a untar.Bata muito bem os ovos com o açúcar até obter uma mistura fofa.Envolva bem sem bater, o chocolate, a amêndoa ralada e a gila.Deite o preparado na forma e leve ao forno moderado a cozer cerca de 45 a 50 minutos (este bolo não pode ficar demasiado seco, tem que ficar úmido).Depois de cozido, deixe arrefecer um pouco e desenforme.
Depois de frio, barre todo o bolo com os ovos moles.

PÃO COM FRUTAS

PÃO COM FRUTAS
1 kg de farinha de trigo integral
2 tabletes de fermento biológico
2 copos duplos de água morna
1 xícara de óleo
1 colher de chá de sal natural
4 colheres de sopa de açúcar mascavo
1 xícara de frutas cristalizadas cortadas
em pedaços pequenos
½ xícara de uva passa
MODO DE PREPARAR
Dissolver o fermento na água morna,
acrescentar o açúcar, a farinha, o óleo e o sal.
Amassar bastante. Misturar as frutas
e dividir a massa em 2 partes iguais.
Untar 2 fôrmas e colocar a massa
que deve atingir a metade da
altura da fôrma. Cobrir
e deixar crescer por 3 horas.
Assar em forno quente.
Cigana Ana Natasha

biscoito de canela

biscoito de canela

BISCOITO DE CANELA
2 ovos
1 e ½ xícara de chá rasa de farinha de trigo
4 colheres de sopa rasa de amido de milho
2 colheres de sopa rasa do Multi-Adoçante Lowçucar, ou Stevia Plus Lowçucar
2 colheres de sopa cheia de margarina light
2 colheres de chá rasa de fermento em pó
1 colher de chá rasa de canela
MODO DE PREPARAR
Junte todos os ingredientes em um recipiente e misture-os formando uma massa homogênea. Unte uma forma com margarina e farinha. Faça bolinhas apertando-as com um garfo.
Leve ao forno pré-aquecido por 20 minutos.
Tortilha Cigano Húngaro Rigo Jancsi
Esta famosa tortilha leva o nome do cigano húngaro Rigo Jancsi que raptara uma princesa por amor. No casamento dos dois, serviu-se a torta em homenagem aos noivos, pois era o doce predileto de Rigo, com o qual presenteava sua amada. O nome Rigo Jancsi significa João Canário.
INGREDIENTES
8 colheres de sopa de manteiga
13 colheres de sopa de açúcar
4 ovos
1 xícara de chá de farinha de trigo
3 colheres de sopa de cacau em pó
100 gramas de chocolate em barra
4 xícaras de chá de creme de leite sem soro
30 gramas de geléia de damasco
150 gramas de chocolate meio amargo derretido
MODO DE FAZER
Misture 8 colheres de manteiga e três colheres de sopa da açúcar, até formar um creme.
Bata as quatro claras em neve, com 5 colheres de sopa de açúcar, e junte ao creme.
Depois, acrescente 1 xícara de farinha de trigo e 3 colheres de sopa de cacau em pó.
Estenda a massa numa espessura de cerca de 2 cm e coloque numa assadeira redonda média, coberta com papel manteiga. Leve ao forno pré-aquecido a 220º C. Quando a massa estiver assada, polvilhe sua superfície com farinha de trigo e vire-a, retirando o papel e deixando-a esfriar. Agora, derreta o chocolate em banho-maria. Ferva o creme de leite e espere esfriar. Depois bata-o com 5 colheres de açúcar até o ponto de chantili.
Acrescente ao chocolate quente, aos poucos, batendo sempre para não encaroçar. A seguir, corte a massa em duas partes iguais e uma delas cubra com geléia de damasco e depois com o chocolate derretido. Cubra a outra metade da massa com o chantili misturado ao chocolate. Em seguida, junte as duas metades e cubra a torta com chocolate derretido em creme de leite e guarde na geladeira